Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 25 de setembro de 2011

Richard Dawkins sobre transhumanismo e a singularidade: sim, é possível a existência de seres "semelhantes a deuses"

Richard Dawkins: o professor da glamurosa Oxford que resolveu dar a cara a tapa criticando a religião. No entanto, para ele, seres semelhantes a deuses são possíveis -- pela evolução tecnológica.

O rei dos céticos, o príncipe dos ateus. Um dos maiores biólogos evolucionários da história. Um dos poucos cientistas popstar, que saiu do conforto de Oxford para dar a cara a tapa criticando a religião. Para os crentes, o cavaleiro-mor do Apocalipse (os outros três cavaleiros do apocalipse são: Sam Harris, Daniel Dennett e Cristopher Hitchens). Em uma entrevista ao New York Times desta semana, Richard Dawkins indiretamente (a entrevista não era sobre isso) endossa a hipótese dos transhumanistas e singularitarianos: a de que a humanidade pode evoluir para algo semelhante a deuses (no entanto, acho que entre Dawkins e os singularitarianos pode haver uma divergência grande quanto ao timing desta evolução).

O cientista militante: "Provavelmente não existe nenhum deus. Agora pare de se preocupar e aproveite sua vida."

Essa declaração do Dawkins é boa porque serve para reforçar a demarcação (para alguns, nem sempre nítida) entre, de um lado, pensamentos de tendência transhumanista, e, de outro lado, o pensamento religioso. Transhumanistas se valem da  explicação científica.

Abaixo, minha tradução do trecho da entrevista que trata do assunto. Entrevista original e completa (em inglês) aqui.

***

Após duas horas de conversa, o professor Dawkins anda longe. Ele fala da possibilidade de que poderíamos co-evoluir com computadores, um destino de silício. E ele está intrigado com o lúdico, mesmo comoventes escritos de Freeman Dyson, o físico teórico.

Em um ensaio, Professor Dyson se lança a milhões de anos especulativos para o futuro. Nossa galáxia está morrendo e os seres humanos evoluíram para algo como raios de energia inteligente e moral superpoderosa.

Isso não parece terrivel descrição de Deus?

"Certamente", o professor Dawkins responde. "É muito plausível que no universo existam criaturas semelhantes a deuses."

Ele levanta a mão, apenas no caso de um leitor pensar que ele está indo em direção a uma curva religiosa. "É muito importante entender que esses deuses foram feitos por um explicável progresso científico de evolução incremental."

Poderiam ser imortais? O professor dá os ombros.

"Provavelmente não." Ele sorri e acrescenta: "Mas eu não quero ser demasiado dogmático sobre isso."
***



 

 Talvez você também se interesse por este outro artigo:

Dr. Michio Kaku: nos tornaremos os deuses que uma vez tememos


P.S. -- O título da postagem é ligeiramente desonesto, mas me explico. Dawkins não falou diretamente do transhumanismo ou do movimento da singularidade (movimentos diversificados e, sem dúvida, com alguns setores suscetíveis à crítica), mas se referiu aos tema comuns das superinteligências, hibridização do homem e da máquina e possibilidade da imortalidade. A razão deste título (e de vários outros pouco imaginativos deste blog) é simplesmente para facilitar que o post seja encontrado na busca pelo Google.

2 comentários:

  1. kra... Posta mais coisa... rsrsrs... Please

    ResponderExcluir
  2. Luzes da demência

    O poeta quer direitos iguais
    Para os cidadãos puros demais

    As vozes ladram para longe

    E voltam em sintonias tribais,... d’onde?



    Elas delatam, agridem e comprimem o ser

    Como se fosse proibitivo ver

    Sem noção, sem ideia, sem razão

    Se vão.



    Tristes, pensamentos insistem em ter

    A mesma face que se vê não cativa ser...

    O mesmo homem que há minutos era

    Noção de homem cativo impera.



    Vulgos pensamentos tortos

    De tortuosas mentes ‘mortas’?!

    A repetida freqüência branda

    Que a mim não mais engana.



    Neurônios que de tardio encontro

    Adormecidos na mente voltam de encontro,...

    Com a freqüência branda fazendo elos ao relento

    Lembrança, pensamento insano e desalento.



    Depois vem a calmaria

    Como os olhos da virgem Maria

    E novamente a freqüência branda

    Trazer à tona - no cérebro -: a banda.



    Vulga razão serena do existir

    Não mais um ser: múltiplos por vir

    De conexões e máquinas integrando

    A emoção à fria razão robótica cunhando...



    Constelações de mentes interligadas

    A essência das máquinas instaladas

    Na imensidão do universo fluindo

    Canções de fluídos surgindo.



    A psicologia não mais é paciente

    Nem mais inconseqüente

    Onde o mudo é ouvido

    E o surdo é sentido.



    A psiquiatria não mais reivindica

    A posse da cura que indica

    Pois a máquina critica e corrige

    A mente do ausente: dirige.



    Salve, salve os anos 50,...

    Que estar porvir?!

    De anos bem vividos,...

    Divididos na monotonia de uma sala dividida...



    O transtorno já era,... Memória de um neurograma sincero.

    Coisas de uma era.,... Onde o controle interno do pensamento encerro...

    Feixes de luzes,... Controlados por circuitos integrados...

    Neurônios eficazes,... Que em conjunto são fechados.



    A dor já é medida,...

    O pensamento se equilibra

    Uma ponta a outra o cérebro não mais vacila

    Pois é finda a agonia como argila.



    Então a incompreensão aflora,...

    No princípio a degola.

    De não reconhecer a demência.

    Pois todos não a querem embora.



    Os homens das máquinas choram...

    Sua invenção ao controle colaboram,...

    Por motivos utópicos os ‘loucos’ se alegram,...

    Mas os normais – a culpa – degolam.



    Salve, salve os anos 90,...

    Que estar porvir!

    De anos bem vividos,...

    Divididos na compreensão interna de tudo que foi vivido...



    Não existe mais culpa,...

    Sereno é mundo como uma lupa.

    Onde nada mais é escondido.

    Salve,... salve a verdadeira história humana.

    Como nesta poesia que ao final a rima desanda.



    Autor: Max Diniz Cruzeiro

    Referências:
    Site: http://www.lenderbook.com
    Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Sltx_4xXSrE

    ResponderExcluir