Ocorreu um erro neste gadget

Críticas

Lenin, Mickey e Jesus: é preciso cautela para não entrar nesse time sem nem mesmo saber que entrou .

Pretendo reunir nesta página um resumo e links a algumas das críticas mais sérias contrárias ao transhumanismo e à singularidade (está em construção).
Transhumanismo. A grande maioria das críticas me parece ter pouca consistência em razão da motivação religiosa velada ou por se basearem no preconceito de que "isso é impossível" "isso é ficção científica".
Um aspecto sério a ser levado em consideração diz respeito a preocupação com a desigualdade e elitismo. Essas inovações estarão disponíveis a todos ou a uma ínfima parcela da população? No entanto, se você diz "eu odeio o transhumanismo porque algumas pessoas não vão envelhecer e os pobres vão envelhecer e morrer", seu problema não é com o transhumanismo, mas sim a desigualdade e talvez você não devesse jogar fora a criança junto com a água do banho.

Singularidade. As críticas e a preocupação em relação à singularidade me parecem ser mais pertinentes e consistentes. Listei abaixo o próprio Max More como um dos críticos da singularidade. Há inegavelmente um forte componente religioso envolvendo a ideia da singularidade e ele deveria ser melhor identificado e discutido. Infelizmente, os críticos da singularidade parecem se limitar a assumir uma posição cética  e negativa simplesmente porque soa mais inteligente e é psicologicamente mais cômodo assumir uma posição cética do que se dar ao trabalho de ler o argumento contrário e tentar rebatê-lo. Eu daria como exemplo deste tipo de crítica algumas das entrevistas no IEEE, como a de Gordon More ("I am a skeptic. I don't believe this kind of thing is likely to happen, at least for a long time. And I don't know why I feel that way") ou Steven Pinker ("Singularity will occur never, ever. There is not the slightest reason to believe in a coming singularity."). Eu diria para Pinker ou Gordon More: "Ok, admiro seu trabalho no geral. Mas devo acreditar no que Vossa Majestade me diz sentir ou, se não fosse muito incômodo, Vossa Majestade poderia me mostrar, além da conclusão, um pouquinho de suas premissas?". Ora, convenhamos, ser cético não significa estar certo, significa tão somente que, dada a enorme tendência humana à superstição, à mentira, ao exagero (e pode ser perfeitamente o caso da singularidade), na maioria das vezes você vai estar certo. Mas, se é para discutir o assunto com seriedade, a maneira correta de fazê-lo me parece ser esta:

"One might think that the singularity would be of great interest to academic philosophers, cognitive scientists, and artificial intelligence researchers. In practice, this has not been the case. Good was an eminent academic, but his article was largely unappreciated at the time. The subsequent discussion of the singularity has largely taken place in nonacademic circles, including Internet forums, popular media and books, and workshops organized by the independent Singularity Institute. Perhaps the highly speculative flavor of the singularity idea has been responsible for academic resistance to the idea.
I think this resistance is a shame, as the singularity idea is clearly an important one. The argument for a singularity is one that we should take seriously. And the questions surrounding the singularity are of enormous practical and philosophical concern. (David Chalmers  em "The Singularity: A Philosophical Analysis", p. 03 -- grifei)

Finalmente, há uma terceira categoria de críticas baseadas explicitamente na religião (principalmente evangélicos enraivecidos) ou em teorias da conspiração (daquelas do tipo que afirmam que todo o primeiro escalão do Governo Bush planejou os ataques de 11 de setembro) que afirmam que o transhumanismo faz parte da "agenda da nova ordem global" etc. Esse tipo de crítica não está arrolada aí abaixo, nem mereceu minha atenção porque já está comprometida desde o início por não se fundar em uma argumentação racional ou na análise sóbria de evidências. Não adianta discutir com crentes, que estão comprometidos com a segurança de suas crenças  não com a busca  sincera de uma verdade (por mais intangível e provisória que esta seja).

Se você tem conhecimento de mais críticas, por favor, coloque o link nos comentários aí abaixo.


CRÍTICAS AO TRANSHUMANISMO E À SINGULARIDADE

EN.WIKIPEDIA, vertebe "transhumanism", seção "controversy": http://en.wikipedia.org/wiki/Transhumanism#Controversy

Bailey, Matthew (2011) The Technological Singularity as Religious Ideology.

FUKUYAMA, Francis (2004). "The world's most dangerous ideas: transhumanism" (reprint). Foreign Policy (144): 42–43. Retrieved 2008-11-14.

LINDEN, David J. (2011) The Singularity is Far: A Neuroscientist’s View. Disponível em http://www.kurzweilai.net/the-singularity-is-far-a-neuroscientists-view

KNAPP, Alex (2011) When Tech Speculation Becomes Magical Thinking

MORE, Max. Singularity Skepticism: Exposing Exponential Errors [UKH+]

IEEE SPECTRUM. Tech Luminaries Address Singularity.

VANCE, ASHLEE (2010) Merely Human? That’s So Yesterday (uma resposta a esta crítica: The New York Times Explained – Our Singular Purpose)


Um comentário: