Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Transhumanismo no horário nobre da TV

Episório da popular série "The Big Bang Theory" ("The Cruciferous Vegetable Amplification") leva ideias transhumanistas para o grande público

Sheldon tentanto estimar a propabilidade de viver o bastante para presenciar a Singularidade. No quadro, o famoso Teorema de Bayes (ferramenta estatística também utilizada em Inteligência Artificial)


Sites transhumanistas comemoram a performance cômica de Sheldon no segundo epiódio da quarta temporada de "The Big Bang Theory" ("The Cruciferous Vegetable Amplification"):
"Sheldon is a transhumanist!
Sure, these ideas are all portrayed as bizarre and ridiculous, but that’s because Sheldon is the nerd of the group. But that’s okay. If The Big Bang Theory has demonstrated anything, it’s how quickly and easily nerdy ideas can become mainstream. Stay tuned."

Imortalidade, Singularidade, “Upload” da consciência:
No trecho inicial do episódio, Sheldon fala rapidamente sobre a Singularidade, misturando o termo com a ideia (que é associada, mas são sinônima) de “upload” da consciência, um dos meios que supostamente poderiam levar as pessoas à imortalidade. Há uma imprecisão quanto à data estimada para a Singularidade, já que a previsão mais comumente divulgada estima que ela deve ocorrer por volta de 2045 (é a data prevista por seu maior pregador, Raymond Kurzweil. Aqui, sua explicacao: http://en.wikipedia.org/wiki/Predictions_made_by_Raymond_Kurzweil#2045:_The_Singularity ). Eis o diálogo:


Sheldon: Estou tentando determinar quando morrerei.
Leonard: Muitas pessoas estão pesquisando isso.
Leonard: O que é tudo isso? [apontando para uma série de paineis com desenhos]
Sheldon: Meu histórico familiar. Herança de longevidade, propensão a doenças, etc.
[...]
Sheldon: tenho no máximo mais 60 anos.
Leonard: Tudo isso?
Sheldon: Só me leva até aqui. Preciso chegar até aqui.
Leonard: O que tem aí?
Sheldon: Uma estimativa preliminar da singularidade, quando o homem poderá
transferir a consciência para máquinas e alcançar a imortalidade.
Leonard: Então, está chateado por perder a oportunidade de ser tornar
algum tipo de robô bizarro?
Sheldon: Desse tanto.
Leonard: Que azar. Quer ovos?
Sheldon: Você não entende, Leonard. Vou perder tanta coisa... A teoria do campo unificado, fusão a frio, o cachorrolvo.
Leonard: O que é um cachorrolvo?
Sheldon: É um híbrido de cão e polvo, melhor amigo do homem no mar.
Leonard: Tem alguém trabalhando nisso?
Sheldon: Eu iria trabalhar. Planejei me dar de presente no meu aniversário de 300 anos.
[…]

Medicina da Imortalidade de Raymond Kurzweil e Terry Grosman
Neste trecho, Sheldon faz indiretamente referência à dieta da longevidade popularizada no Livro “A Medicina da Imortalidade”  (em inglês, “Fantastic Voyage: How to Live Long to Live Forever”) de Raymond Kurzweil e Terry Grosman. Eliminação de carboidratos, consumo de hortaliças e a prática diária de exercícios físicos -- tudo o que Sheldon resolveu fazer -- estão entre as principais recomendações (suplementos vitamínicos e minerais,consumo de chá verdade, etc. também fazem parte deste estilo de vida).

Sheldon: Não vou comer pizza hoje.
Penny: Mas é quinta. Quinta é dia de pizza.
Sheldon: Não para mim. Quinta agora é a Noite dos Vegetais Crucíferos. A escolha de hoje foi couve-de-bruxelas.
Howard: Sério? Está mudando o calendário Sheldoniano?
Sheldon: Um pequeno preço a se pagar.
Penny: Pelo quê?
Leonard: Não pergunte!
Penny: Desculpa, desculpa.
Sheldon: Para poder viver o suficiente para fundir minha consciência com a cibernética, tenho que mudar minha dieta.
Penny: Por cibernética, você quer dizer robôs?
Sheldon: Correto.
Penny: Você quer se transformar em um robô?
Sheldon: Essencialmente, sim.
Sheldon: Estou planejando começar um regime de exercícios desenvolvido para fortalecer o sistema cardiovascular.

Sheldonbot
Aqui, mais uma referência aos transhumanistas/singularitários. O SheldonBot é inegavelmente uma paródia do BrinBot (apelido dado ao dispositivo móvel de presença virtual utilizado por Sergey Brin, co-fundador do Google, em uma sessão na Singularity University). Eis o vídeo do BrinBot: http://video.nytimes.com/video/2010/06/12/business/1247468032243/the-brinbot.html

Sheldon: Saudações, amigos.
--Saudações, seja lá o que você for.
Sheldon: Sou um dispositivo móvel de presença virtual. Eventos recentes me demonstraram que meu corpo é muito frágil para aguentar as imprevisibilidades do mundo. Até a época que possa transferir minha consciência, eu permanecerei num local seguro e vou interagir com o mundo dessa forma. […] Pode parecer meio estranho no começo, mas com o tempo se acostumarão a lidar comigo desse jeito.
– Honestamente, não vejo muita diferença.
Sheldon: Obrigado. Era o que eu queria.

Dito isto, haveria motivo para comemorar esta rápida e histriônica performance de um gênio maluco transhumanista, Dr. Sheldon Cooper?

No início pensei que não, que não se deveria dar tanta importância a esta forma de divulgação que mais se aproxima da ridicularização. E escrevi um comentário crítico no site do Kurzweil demonstrando meu desapontamento.

Pensando melhor, no entanto, acho que ela foi positiva (e bem melhor do que as representações distópicas e maçantes sobre o futuro; pintar o futuro como uma fossa já encheu minha paciência) . Por quê?


Porque "qualquer verdade passa por três estágios: Primeiro, é ridicularizada. Segundo, é violentamente combatida. Terceiro, é aceita como óbvia e evidente." (Arthur Schopenhauer). Estamos passando para o segundo estágio. 

3 comentários:

  1. Por essa eu não esperava. Esse movimento em volta da idéia de que haverá uma singularidade onde nossas vidas modificar-se-ão significativamente é interessante, e resultou em uma exposição cada vez maior. Todavia, já vi gente afirmando que estas idéias não estão sendo debatidas no mundo acadêmico, o que é falso, pois o Chalmers recentemente escreveu um artigo avaliando esta idéia de uma possível inteligência artificial que irá superar a inteligência humana, para citar um exemplo.

    E realmente não só há pessoas inteligentes defendendo a hipótese de uma alteração drástica, como também as propostas são embasadas em extrapolações do desenvolvimento tecnológico atual. Por ex aqui uma lista de quem estuda estas coisas, e geralmente é associado à singularidade: http://www.sentientdevelopments.com/2010/08/its-not-all-about-ray-theres-more-to.html

    Parabéns pelo blog, é o primeiro que encontro dedicado a falar sobre estes temas de forma acessível.

    ResponderExcluir
  2. Lembrei da sua indicação e comecei a assistir. Incrível! Inteligente e engraçada, essa vale apena.

    ResponderExcluir